Alerta da Marinha orienta sobre ondas de três metros até sexta (23)

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

No final da tarde da última terça-feira, 20, a Marinha do Brasil emitiu um alerta de mau tempo e possibilidade de ressaca com ondas de até 3 metros de altura em algumas regiões do país, são elas: Faixa litorânea do Rio Grande do Sul, norte do município do Rio Grande e também no Paraná, mais especificamente ao sul de Paranaguá, o alerta é válido até esta sexta-feira, dia 23 de abril.

A explicação da Marinha é de que os ventos serão intensificados dentro da periferia de um sistema de alta pressão sobre o oceano, o que deve acarretar ventos de direção Sudeste a Nordeste com intensidade de até 75 KM/h, o equivalente a 40 nós, na faixa litorânea dos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, até a manhã de sexta (23).

As condições alteradas do sistema meteorológico associadas aos fortes ventos irão ocasionar um mar revolto com ondas de até 4 metros de altura, entre os estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, ao sul de Laguna, até a noite de quinta-feira (22).

Tempestade subtropical Potira

O Centro de Hidrografia da Marinha, em colaboração com o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e outros órgãos, informam que na madrugada da última terça-feira, 20, houve a formação de um ciclone subtropical em alto-mar, na posição 26°S 041,5°W, a 250 milhas náuticas (460 km) do litoral dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

O sistema foi denominado como tempestade subtropical “Potira”, com ventos estimados por satélite de até 35 nós (65 km/h). Seu deslocamento é previsto para a direção leste até quinta-feira (22) e poderá se deslocar para sudoeste/sul.

A tempestade é denominada Potira, devido a expressão tupi-guarani que significa “flor, são esperados ventos fortes nas proximidades do litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro, podendo atingir 102 km/h em alto-mar, no setor sul e oeste do ciclone, e 75 km/h junto à costa, durante todo o período de atuação do ciclone.

Foto: Correio do Litoral

PARCEIROS