Colesterol: Quais são os impactos negativos na sua saúde?

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Você sabia que o colesterol alto impacta na sua qualidade de vida? Neste Momento Saúde da Unimed Paranaguá a Dra. Elizandra Nasser de Almeida, Especialista em Endocrinologia da Unimed Paranaguá explica os malefícios de uma vida com colesterol alto.

O que é o colesterol?

O colesterol é uma das gorduras presentes no nosso corpo. Ele faz parte da constituição de várias das nossas células e é essencial para os seus funcionamentos. Também ajuda na formação de hormônios como os hormônios sexuais e a vitamina D.

Quando o colesterol é preocupante?

O colesterol no sangue circula ligado a algumas proteínas e isto diferencia o colesterol em HDL (colesterol bom) e LDL (colesterol ruim). O excesso de LDL é que está associado às doenças cardiovasculares. O excesso de colesterol bom (HDL), por outro lado, até nos protege destas doenças. Por isso, quando medimos o colesterol total no sangue, precisamos sempre saber o qual é o valor de colesterol bom e qual é o valor do colesterol ruim. Só o ruim precisa ser tratado quando está alterado.

É importante também saber se apresentamos outros fatores de risco para doenças cardiovasculares. Estas condições facilitam o desenvolvimento da placa de ateroma e com isso provocar infarto ou o acidente vascular cerebral (AVC). Quanto mais avançada a idade, maior o risco. É muito importante então, manter também os outros fatores de risco tradicionais bem controlados. Além dos níveis de LDL, é preciso controlar a glicose, a pressão, parar de fumar e reduzir o peso, quando necessário.

Quais são as principais causas de colesterol alto?

Em média, 70% dos casos de colesterol são geneticamente determinados por uma alteração na regulação do colesterol pelo fígado e 30% vem da alimentação.

É por este motivo que pessoas que não são obesas também têm colesterol alto. Isso porque os níveis de colesterol no sangue dependem mais da taxa de remoção do colesterol pelo fígado que é genética, como falei acima. Se você tem um familiar de primeiro grau (por exemplo: pai, mãe, irmãos) com colesterol alto, sua chance de ter colesterol alto é maior.

Quais as consequências do colesterol alto?

O excesso de LDL (colesterol ruim) é que está associado às doenças cardíacas. O LDL causa doenças vasculares porque se deposita, sem dar sintomas, na parede das artérias e gradativamente vai formando uma placa chamada ateroma. Estas placas estreitam a luz das artérias e podem causar o Infarto agudo do miocárdio e AVC.

Quando devemos dosar o colesterol?

Todos os adultos e crianças acima de 10 anos devem dosar o colesterol total e frações pelo menos uma vez. Se elevados, deve-se consultar um endocrinologista para definir o risco cardiovascular individual e planejar um tratamento adequado. Quanto mais tempo somos expostos ao excesso de LDL, é maior a chance das placas de ateroma e de consequências indesejáveis.

Quais as orientações para termos um colesterol regulado e uma vida mais saudável?

O estilo de vida é fundamental na redução do risco de infarto e AVC. É importante fazer atividade física regular, evitar gorduras saturadas e gorduras trans (presentes em alimentos industrializados) e parar de fumar são medidas a serem seguidas. Os alimentos que mais aumentam o colesterol são o bacon, a pele da carne das aves, a manteiga, o creme de leite, a nata, as frituras, as salsichas, e embutidos e a carnes em excesso.

Em relação aos medicamentos, as estatinas são as medicações mais importantes no controle do colesterol. O tratamento adequado reduz a mortalidade. Para se ter uma ideia, para cada 40mg/dL de colesterol LDL reduzido, a mortalidade por infarto se reduz em 20%.

E lembrar que tratamento do colesterol tem foco na prevenção e é para a vida toda. O objetivo é reduzir o risco cardiovascular daquela pessoa. Não adianta tratar por um período e depois abandonar o tratamento, pensando em cura. Na verdade, é importante buscar sempre o controle com tratamento e mudanças no estilo de vida.


Dra. Elizandra Nasser de Almeida possui Graduação em Medicina pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná (FEMPAR), Curitiba-PR em 2000. Residência Médica em Clínica Médica pela Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, Curitiba-PR em 2002. Residência Médica em Endocrinologia e Metabologia pela Universidade Estadual de Londrina, Londrina-PR em 2008. Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Matéria produzida pelo setor de comunicação da Unimed. 

PARCEIROS