Covid-19: Anticorpos adquiridos com a vacina podem ser repassados através da amamentação

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP e publicada no Physiological Reports mostrou que a amamentação pode ajudar na prevenção de bebês contra a Covid-19 e também auxiliar no combate de distúrbios gastrointestinais associados à doença.

Segundo a professora Patrícia Gama, pesquisadora do Instituto, o leite materno possui uma série de moléculas que vão além dos anticorpos sendo importantes para a proteção contra inúmeras doenças, inclusive a Covid-19.

“As moléculas presentes no leite fazem com que o bebê possa ter um quadro reduzido de sintomas e de consequências, se for infectado. Ele ainda não tem um sistema imunológico formado e depende, justamente, do leite, para que a mãe forneça a ele todas essas moléculas. Por isso, a amamentação é uma ponte tão importante para se garantir o crescimento e o desenvolvimento adequado”, ressalta a pesquisadora.

Outra novidade descoberta em pesquisas recentes é que a vacina permite que os anticorpos, ao passarem por um processo chamado “soroconversão” no corpo das mães, sejam enviados para o bebê. Segundo Patrícia, apesar de muitos recentes, os estudos “vêm sugerindo que, sim, esses anticorpos derivados da soroconversão da mãe, após a vacina, também passam para o bebê pelo leite”.

A parnanguara Bruna Carolina, é mãe de Noah de 2 anos de idade. Ela que ainda amamenta, decidiu cancelar o desmame depois de pesquisar que os anticorpos adquiridos com a vacina contra a Covid-19 poderiam ser repassados para o bebê.

Bruna recebendo a vacina contra a Covid-19 e em seguida amamentando. Crédito da foto: Enviada pela entrevistada

“Quando começaram as pesquisas sobre as vacinas fiquei acompanhando as respostas em grávidas e lactantes, e a importância que tinham nesses casos. Descobri sobre uma campanha nas redes sociais chamada lactantes pela vacina, na qual várias mães se juntaram virtualmente para fazer um “mamaço virtual” e levantar a hashtag #lactantespelavacina e garantir que fossem grupo prioritário já que a vacina protegeria duas pessoas ao invés de apenas uma”, explica ela.

Durante as pesquisas sobre o assunto, Bruna tem aprendido muito. “Alguns estudos confirmam que os anticorpos gerados através do leite podem reduzir a infecção em bebês caso eles sejam infectados pelo vírus. Esse processo é chamado soroconversão e acontece no corpo da mãe logo após a vacina.”

Ciente da importância da amamentação, especialmente no momento atual que a humidade está vivendo, ela deixa um recado para que outras mães não desistam de amamentar.

“A OMS recomenda a amamentação exclusiva até os 6 meses de vida e após a introdução alimentar até os 2 anos no mínimo. Crianças menores de 2 anos não podem usar máscaras devido ao risco de sufocamento e ficam expostas ao vírus diariamente, tomando a vacina você não protege apenas a si mesma, mas também outro ser humano que precisa dos seus cuidados e é de sua responsabilidade, se existe uma forma de se proteger e o proteger, faça! Vacina salva vidas!”, completa Bruna.

 

 

 

 

 

PARCEIROS