Covid-19: Taxa de transmissão da doença chega ao menor índice do ano no Paraná

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Mais uma boa notícia envolvendo o combate a Covid-19. A taxa de reprodução (Rt) do coronavírus chegou ao menor índice do ano no Paraná nesta segunda-feira (12).

De acordo com informações da plataforma Loft.Science, que mede em todo o Brasil o número de contágios por cada pessoa infectada, o Rt médio do Paraná está em 0,70 – o mais baixo entre todas as unidades da federação.

O valor significa que cada 100 pessoas com Covid-19 podem contaminar outras 70, o que demonstra que há remissão da pandemia no Estado.

“O Rt indica a média de pessoas que serão infectadas pelo Sars-CoV-2 a partir de uma pessoa doente. Quando o Rt for igual a 1, a doença está estável. Quando é maior, há um crescimento no número de casos. Quando a taxa está abaixo de 1, há redução nos contágios. Segundo a plataforma, que atualiza os dados diariamente, a taxa no Estado varia de 0,64 a 0,74”, detalhou a Agência Estadual de Notícias em uma reportagem sobre o assunto.

No dia em 24 de junho, quando ocorreu o último pico da pandemia, o Rt do Paraná estava em 1,48 (ou seja, cada 100 pessoas contaminavam outras 148). De lá para cá, a transmissão no Estado só caiu, e desde 1 de julho está abaixo de 1.

Os dados obtidos pela plataforma apontam ainda que no Brasil, o Rt médio nesta segunda-feira (12) era de 0,83, com todos os estados com índice igual ou abaixo de 1.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto conversou com a Agência Estadual de Saúde sobre o assunto.  “É uma amostra de que as medidas de controle que ainda adotamos a nível estadual e os municípios impõem localmente funcionam, além do aumento da vacinação, que tem melhorado todos os indicadores da pandemia”.

O secretário pontuou ainda. “Aos poucos começamos a ver um cenário mais equilibrado e com tendência de queda. Precisamos imunizar o máximo de paranaenses e manter as regras básicas de convívio social da pandemia. Só assim, coletivamente, vamos vencer a doença”.

Com informações da AEN

PARCEIROS