Gente da Gente: Cica conquista clientes com suas delícias no Mercado do Café

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Algumas das principais delícias da culinária local podem ser encontradas no Mercado do Café de Paranaguá.

No box do Cica por exemplo, há várias iguarias requisitadas pela clientela: bolinho de camarão, rosca de fubá, banana recheada, bolinho de carne. São tantas opções, que fica fácil entender o porquê do empresário Guaracy Maristany, o Cica, fazer tanto sucesso em seu ramo de atuação.

Nascido no dia 21 de novembro de 1959, em julho de 2004, ele decidiu se arriscar na área alimentícia e não se arrependeu.

“Comecei no Mercado do Café exatamente no dia 02 de julho de 2004, hoje tenho uma clientela bastante fiel que aprecia todo o nosso cardápio que é bastante variado, vendemos de tudo: Banana recheada, rosca de fubá, bolinho de camarão, bolinho de aipim, bolinho de carne, coxinha, pastéis de diversos sabores, bolo de fundo com manteiga. Fora outras coisas que são mais comuns; Misto quente e frio, pão com manteiga, pão com ovo”, conta Cica.

Quando perguntado sobre a parte que mais gosta no seu ofício, o comerciante não titubeia para responder.

“A parte que mais gosto é atender meus clientes, bater um bom papo, descontrair com a clientela”.

Ao longo destes anos no Mercado do Café, Cica já vivenciou muitos momentos que o marcaram, mas um em especial, ficou gravado na memória.

Cica e o apresentador Richard Rasmussen

“Um dia uma moça veio e ficou sentada sozinha na mesa, eu disse que era proprietário, ela pediu um café, elogiou e batemos um longo papo. Na ocasião eu contei de forma descontraída para ela a história do Cuco, daquele rapaz que chegou em Paranaguá para trabalhar e ficou sabendo que aqui era a cidade do apelido e disse que não receberia apelido nenhum, que ficaria ileso. Dias depois, hospedado em um hotel da cidade, ele sempre aparecia na janela sempre no mesmo horário para apanhar ar fresco, várias vezes por dia , eis que… Surgiu o apelido, “ Cuco”, por lembrar aqueles relógios antigos. Contei essa história, demos risada e ela foi embora. Tempos depois, vi uma reportagem sobre esta história e sobre mim em um veículo de comunicação, ela era jornalista. Fiquei muito feliz e surpreso com o reconhecimento”, relembra Cica.

Para finalizar, Guaracy deixa uma dica valiosa para aqueles comerciantes que muitas vezes se sentem desanimados com os percalços do cotidiano.

“O comerciante tem que ser persistente. Jamais pense em desistir, pois o que faz você ficar forte, é o seu bom desempenho tanto no atendimento como na qualidade daquilo que você comercializa”, completa.

PARCEIROS