Governo implanta Instituto de Criminalística em quatro municípios do Interior

Segurança Pública implanta Instituto de Criminalística em quatro municípios do interior do estado

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Facebook
WhatsApp
Email

Quatro unidades da Polícia Científica que prestavam atendimentos de medicina legal passam a contar agora com os serviços do Instituto de Criminalística. Três delas (Jacarezinho, União da Vitória e Paranavaí) começaram os trabalhos nesta semana e a outra (Apucarana), que teve uma nova sede inaugurada, presta esse serviço desde novembro de 2020. O avanço significa a implantação plena da Polícia Científica nessas regiões que careciam de atendimentos de perícia.

O secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, enalteceu o avanço da Polícia Científica no Interior, que poderá prestar melhores serviços à população com a otimização de laudos e demais exames periciais que são indispensáveis para o prosseguimento de investigações e elucidação de crimes.

“A readequação dessas unidades faz parte de uma iniciativa integrada para trazer melhorias em um importante seguimento da segurança pública. A Polícia Científica em atividade plena possibilita investigações mais céleres e com maiores índices de solução nos casos. Além disso, beneficia os moradores dessas regiões, já que não precisam mais se deslocar para outras cidades para ter atendimento adequado”, informou.

De acordo com o diretor-geral da Polícia Científica, Luiz Rodrigo Grochocki, cada unidade contará com seis peritos criminais, além de uma viatura 4×4, maleta com insumos para coleta de vestígios de materialidade e autoria em locais de crime e câmeras fotográficas, além de oferecer toda a infraestrutura interna para os procedimentos periciais e espaço de atendimento ao cidadão.

Os equipamentos e viaturas são oriundos de investimentos do Governo do Estado e do governo federal, por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). “Quanto mais rápido forem coletados os vestígios, maior será o benefício para as investigações e para a justiça como um todo”, disse Grochocki.

Fonte: AEN-PR