Guaratuba é a única cidade balneária do litoral que não possui Guarda Municipal ativa

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Apesar de todas as cidades do litoral contarem com lei municipal que institui a Guarda Civil Municipal (GCM) em seus territórios, nem todas constituíram a corporação efetivamente. Isto é, na prática, não existe o serviço de GCM.

Das três cidades balneárias da região, Matinhos, Pontal do Paraná e Guaratuba, somente a última não possui efetivo de guardas municipais ativos, apesar de ser o maior município praiano, com 37.520 habitantes. Matinhos conta com 35.220 moradores e, Pontal do Paraná, com 27.915.

Desde agosto de 2014, as guardas municipais de todo o país foram regulamentadas, por meio da Lei Federal nº 13.022, chamada de Estatuto Geral das Guardas Municipais. A lei definiu que qualquer cidade pode implantar a GCM, independentemente da quantidade de moradores, mas determinou que a corporação não pode ter efetivo maior que 0,4% da população em municípios com até 50 mil habitantes. Isso significa que, caso Guaratuba tivesse constituído a guarda municipal, o efetivo poderia chegar a 150 agentes, garantindo um reforço à segurança pública.

Além disso, desde março deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) possibilitou com que municípios de até 50 mil habitantes armassem suas guardas. Antes, o porte de arma de fogo só era liberado para corporações das capitais dos estados; de cidades com mais de 500 mil habitantes e, para aquelas entre 50 mil e 500 mil moradores, apenas quando os agentes estivessem em serviço. No dia 01º de março, o plenário do STF autorizou o porte para todas as guardas municipais, sem distinção da quantidade de habitantes.

Competências

De acordo com o Estatuto Geral das Guardas Municipais, a criação da corporação deve ocorrer por lei, e os servidores devem ingressar por meio de concurso público. Os candidatos devem ter nacionalidade brasileira, nível médio completo e idade mínima de 18 anos.

A lei também define a competência geral das guardas como sendo a proteção de bens, serviços, ruas públicas e instalações do município. A corporação também deve cooperar com os órgãos de defesa civil e de segurança pública, inclusive em ações preventivas integradas; atuar com ações preventivas na segurança escolar e prestar apoio ao atendimento de outros órgãos de segurança pública.

O estatuto também determina que o guarda municipal poderá intervir preliminarmente em situação de flagrante delito, encaminhando à delegacia o autor da infração.

O que diz a prefeitura

Segundo o secretário municipal de Segurança Pública de Guaratuba, Jacson Braga, a secretaria exerce atividades semelhantes à GCM. “Estamos focando, neste momento, no projeto de municipalização do trânsito, o qual será administrado através da secretaria de Segurança Pública”, diz. Ele também afirma que, desde janeiro de 2006, a cidade já possui lei que autoriza a criação da guarda na cidade.

“A secretaria da Segurança foi criada junto com o programa Guaratuba Digital, cujo objetivo foi de melhorar a segurança e a gestão de recursos na cidade, através da instalação de câmeras de monitoramento em vias públicas, prédios públicos, praças etc., inclusive, controlando a entrada e saída de veículos que transitam por nossa cidade. Isso já gerou inúmeros benefícios diretamente à segurança, diminuindo drasticamente os índices de roubos, furtos, homicídios, desaparecimento de pessoas, etc.”, comenta.

Sobre a implantação da GCM em Guaratuba, Jacson afirma que essa é a prioridade da atual administração municipal. “A corporação será implementada no decorrer da gestão do prefeito Roberto Justus, com o principal objetivo de fortalecer as forças de segurança, através de guardas municipais capacitados, treinados e habilitados com armas de fogo”, conclui.

PARCEIROS