Ladrão atrapalhado tenta fugir pelo telhado, mas se dá mal, em Antonina

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A tentativa de furtar uma residência, em Antonina, na noite desta sexta-feira (14), não saiu exatamente conforme planejou um ladrão de 26 anos de idade.

Após reunir e acondicionar todos os produtos do seu interesse, no momento da fuga, o assaltante atrapalhado resolveu subir no telhado da casa para acessar à rua, contudo, devido ao seu peso e a sobrecarga dos objetos, a cobertura não aguentou a pressão, e ele foi parar estatelado no chão da varanda do imóvel.

O forte estrondo produzido pelo corpo do rapaz atingindo o piso da casa chamou a atenção dos vizinhos. Sem demora, eles foram ao local e vislumbraram a cena inusitada, que mais parecia ter saído de um filme de comédia.

Em seguida, as testemunhas ligaram para o dono do imóvel e informaram o fato. A vítima é moradora de Curitiba, e utiliza a propriedade apenas como casa de veraneio.

Às 21 horas, a Polícia Militar foi acionada. No local, um imóvel situado na Rua 13 de Maio, no Bairro Itapema de Baixo, os militares estaduais constataram que o assaltante desastrado havia fraturado a perna direita, e por isso, necessitava de atendimento médico, o que foi prontamente fornecido por uma equipe de bombeiros do SIATE (Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência).

Ao averiguar o endereço, os policiais militares também observaram que, além do buraco no telhado, o criminoso deixou a casa toda revirada e vários móveis danificados. De acordo com a vítima, é a segunda vez que o mesmo marginal visita à sua residência.

Devido ao ferimento, uma fratura no fêmur, o indivíduo foi encaminhado ao Hospital de Antonina e, posteriormente, ao Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, onde receberá cuidados e ficará sob a guarda da PM, até a sua alta médica, quando em fim, poderá ser apresentado à Autoridade de Polícia Judiciária, para a adoção dos procedimentos legais cabíveis ao caso.

PARCEIROS