Médica fala sobre a importância da Vitamina D

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

No Momento Unimed de hoje, entrevistaremos a Dra. Karina Skonieczny que formou-se em 2002 pela Unitau – Taubaté-SP. Na entrevista ela esclarece as principais dúvidas sobre a ação da Vitamina D no organismo.

O que é a Vitamina D?

A vitamina D tem sua ação primordial no metabolismo do cálcio (níveis de cálcio sérico, através da promoção da absorção de cálcio e fósforo a partir do intestino e da reabsorção óssea de cálcio), e tem mostrado estar relacionado a manifestação de várias outras condições médicas (diabetes, doenças cardiovasculares, esclerose múltipla, câncer, distúrbios psiquiátricos, doenças neuromusculares).

Quais alimentos são ricos em Vitamina D?

A vitamina D é um hormônio pró-esteroide que desempenha papel essencial no metabolismo do cálcio e fósforo. Ocorre na natureza em duas formas, a vitamina D2 (ergo calciferol), encontrada naturalmente em cogumelos expostos ao sol, e a vitamina D3 (cole calciferol), encontrada em peixes oleosos como o salmão selvagem ou sintetizada na pele após exposição à luz solar. Gema de ovo, peixes gordurosos como salmão, sardinha e atum, cogumelo shitake, carne vermelha e leite e derivados

Vitamina D em excesso traz algum risco à saúde?

A intoxicação por essa vitamina ocorre quando os níveis sanguíneos aumentam acima de 150 mg/ml. Embora um nível de vitamina D de 30 mg/ml seja considerado adequado, o Conselho de Vitamina D recomenda manter níveis de 40-80 mg/ml. Ele também afirma que qualquer dose acima de 100 mg/ml pode ser prejudicial.

Excesso de vitamina D pode levar a:

Níveis elevados de cálcio no sangue (Essa vitamina ajuda o corpo a absorver o cálcio dos alimentos consumidos), por isso é tão importante controlar também os níveis de PTH durante suplementação com vitamina D; para evitar perda/desgaste ósseo.

Qual a necessidade diária de Vitamina D?

Depende dos níveis basais do paciente e em indivíduos em risco recomenda-se a ingestão de vitamina D na dieta, de acordo com a idade e situações especiais (gravidez, amamentação, obesidade, doenças auto imunes, etc.). Pessoas com doenças auto imunes necessitam de uma dose maior para atingir os valores ideais de vitamina D. Suplementação diária maior que 10.000UI necessitam associação a vitamina K2, para evitar desmineralização óssea.

Qual o período indicado de exposição solar para garantir níveis adequados de Vitamina D?

15-20 min diariamente, meio dia.

Texto: Setor de Comunicação e Marketing Unimed 

 

PARCEIROS