Retinoblastoma: Médico alerta sobre a doença da filha do apresentador Tiago Leifert

Gostou deste conteúdo? compartilhe...

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Recentemente, o apresentador global Tiago Leifert e a esposa Diana Garbin relataram em suas redes sociais e também para os veículos de comunicação, um drama que estão vivendo dentro de casa. A filha do casal, a pequena Lua de apenas 1 ano de idade, foi diagnosticada com a retinoblastoma, que é um tumor maligno que afeta o fundo do olho e é mais comum durante a infância.

Crédito da Foto – UOL

A boa notícia, é que quando a doença é diagnosticada precocemente e começa a ser tratada, as chances de cura são bastante satisfatórias. Sobre este assunto, o Portal E+ Notícias conversou com o doutor Thales Takeo Takata, médio oftalmologista da Unimed Paranaguá. Confira!

Crédito da Foto – Folha do Litoral

Doutor, o que é o retinoblastoma?

O retinoblastoma é um tumor maligno que afeta o fundo do olho. É o tumor ocular mais comum na infância. A maior das vezes ocorre em crianças com até 5 anos de idade, sendo raro após este período.

Quais são as principais causas que levam ao desenvolvimento desta doença?

A causa do desenvolvimento do retinoblastoma é genética. Ocorre uma mutação nos genes das células da retina. Se a criança desenvolver a mutação a doença costuma afetar apenas um olho. Se a alteração genética é herdada dos pais o tumor pode se desenvolver em ambos os olhos.

Como se identifica o retinoblastoma?

O diagnóstico é feito através do exame oftalmológico de fundoscopia. Devendo ser complementado por exame de imagem como ultrassonografia, tomografia e ressonância magnética para se saber a extensão e disseminação do tumor.

Por se tratar de uma lesão que está no fundo dos olhos é de difícil percepção para os pais. Como normalmente afeta crianças pequenas e elas não costumam se queixar o retinoblastoma quase não apresenta sintomas. Quando apresenta alguma alteração o sinal mais comum é a leucocoria (reflexo de coloração esbranquiçada que é observado na pupila principalmente em fotos). Outro sinal que os pais podem observar é o estrabismo. Em casos mais avançados a criança pode apresentar olho vermelho e dor.

Existe cura? Como prevenir?

O tratamento depende do estágio em que a doença se encontra. Podendo incluir quimioterapia, radioterapia e fotocoagulação a laser. Em alguns casos a remoção cirúrgica do olho pode ser necessária. O índice de cura pode atingir 90% dos casos.

Não existe fatores externos para se prevenir o aparecimento do retinoblastoma, mas pais com histórico do tumor devem passar por aconselhamento genético antes de terem filhos.

Qual orientação o senhor deixa para os que estão lendo esta matéria?

Como o retinoblastoma é uma doença de difícil diagnóstico caso seja observado alguma alteração visual em alguma criança pequena ou se surgir alguma dúvida procurar o oftalmologista para um exame mais detalhado.

 

 O Dr. Thales Takeo Takata é graduado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), pós-graduado – residência médica pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), recebeu o título de Especialista em Oftalmologia pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). Pós-Graduado em Retina e Vítreo pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), também é Membro da Sociedade Brasileira de Retina e Vítreo (SBRV) e da Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR/ BRASCRS).

Com apoio do setor de comunicação e marketing da Unimed Paranaguá

PARCEIROS